Quinta-feira, 18 de abril de 2019
Área administrativa
Busca de imóveis
Busca detalhada Busca no mapa Imobiliária/Corretor
Cliente infoimóveis

Administre seus imóveis no site.

Área administrativa

Notícias

Confira notícias do ramo imobiliário
+ - Tamanho da fonte
Terça-feira, 2 de abril de 2019

Presidente do Sinduscon-MS comemora novas oportunidades de trabalho para a categoria - Vídeo

A construção civil respira aliviada com a possibilidade do aumento da geração de oportunidades de trabalho para este ano. É o que comenta, em entrevista ao Grupo Feitosa de Comunicação, o presidente do Sinduscon-MS (Sindicato da Indústria da Construção Civil de Mato Grosso do Sul), Amarildo Miranda Mello. Acompanhe a entrevista completa no vídeo abaixo.


“Os indicativos são bons por parte do governo, e estamos próximos de várias reformas que efetivamente são boas para o País. É um setor que gera muita mão de obra com pessoas qualificadas ou não qualificadas. E o governo, na área da economia, tem mostrado com clareza o que precisa ser feito para que tenha um pouco de fôlego”, diz.


Para Amarildo, o governo precisa economizar no ‘máquina pública’. “O governo precisa economizar para que sobre um pouco de dinheiro para investir no que realmente precisa, como em escolas, rodovias, rede de água. O governo precisa ter ciência que parte desse dinheiro precisa ser gasto com a população, e isso só irá acontecer após reformas que estão por vir”, afirma.


Sobre a solicitação de R$ 12 milhões para a conclusão das obras do Reviva Centro, Amarildo explica que a engenharia é clara. “Não adianta você fazer uma obra de 200 metros quadrados e cobrar 230, pois tudo o que foi feito na obra pode ser atingido a qualquer momento. O projeto do Reviva vai trazer um ganho muito grande para o Centro de Campo Grande. Mas o aditivo, não é a empresa ou o governo que pede. A empresa recebe um processo licitatório que é feito pelo governo que idealiza o projeto, e a empresa é obrigada a acatar aquele preço”, disse.

Mais imagens:
Fonte: Redação - Foto: Jornal A Crítica